Monday, February 04, 2008

Clamo pelo amor da Deusa para que exingue esse sentir

Vasta escuridão que se poe sobre meu ser
Seus espinhos e facas machucam insistentemente
Eu sinto o amor mas não é a unica coisa a ter
A dor e a magoa percistem dentro da minha mente

Choro copiosamente para acalmar o meu espirito
Clamo pelo amor da Deusa para que exingue esse sentir
A razão fala para eu esquecer e seguir o meu caminho
O coração afirma que nunca deve-se do amor fugir

A escuridão ainda permanece e com a minha dor
Vejo luz mas apenas uma tenue linha nuda ao leo
Meu jardim aqui dentro é como cancer com seu ardor
Seus espinhos estão maiores do que as petalas das flores

Choro copiosamente para acalmar o meu espirito
Clamo pelo amor da Deusa para que exingue esse sentir
A razão fala para eu esquecer e seguir o meu caminho
O coração afirma que nunca deve-se do amor fugir

Por mais que eu tente por findar isto que acontece
Nada surte efeito desejado apenas aumentam a dor
Queria que a vida se extinguisse, ouça a minha prece
Nas por mais que tente não consigo matar o meu amor

Choro copiosamente para acalmar o meu espirito
Clamo pelo amor da Deusa para que exingue esse sentir
A razão fala para eu esquecer e seguir o meu caminho
O coração afirma que nunca deve-se do amor fugir

2 comments:

Luana said...

Oie amigo!
passando para dizer q adorei seu site xD

Tyr Quentalë said...

Muita dor em tuas palavras. Espero que estejas melhor.
Saudações de outra escritora, que agora escreve os contos no Seanchaí.